Site Meter

8.10.16

O OUTONO, POIS



O cheiro do pão acabado de cozer, com a sua pitada de sal, a puxar o sabor.
O bacalhau assado e o azeite fervente, com alho, a regá-lo, a rescender.
A aguardente de cana que veio do Brasil há décadas e que hoje foi aberta, depois de rolada a garrafa na mão aberta, com cuidado, a ler o rótulo, a admirar o selo ainda colado sobre a rolha.
A máquina Singer que irá de novo costurar, e as mulheres de várias idades à procura dos antigos gestos que o engenho aguarda.
As vagens do feijão encarnado a secarem ao Sol, prontas para a debulha.

A intimidade que só o Outono convoca e que me põe o passo lento, a voz mais baixa. Dos olhos, nem é bom falar.

Licínia Quitério

1 comentário:

Clara Pimentel disse...

É tão bom poder ir correndo as suas «casas» a visitá-la. Em cada uma delas sento-me um pouquinho, demoro-me a beber um chá enquanto me vou curando e restabelecendo, ouvindo-a.
Obrigada por tudo, Licínia.

Também aqui

Follow liciniaq on Twitter
 
Site Meter

Web Site Statistics
Discount Coupon Code