5.10.16

O 5 DE OUTUBRO



O 5 de Outubro traz-me invariavelmente a recordação de quando eu era miúda e o meu Pai ia  a Lisboa, com amigos, para grande preocupação da minha Mãe, comemorar, como ele dizia, a implantação da República.
Voltava tarde fora, com um ar feliz, e recordo-me de um dia ter dito, não, correu tudo bem, a Guarda carregou a cavalo, ai tu não me digas, homem, mas até foi engraçado, engraçado como, para nós dispersarmos lançou gás lacrimogéneo, ai que tu tens os olhos vermelhos, não, não é nada, havias de ver, e ria-se discretamente, até os cavalos choravam.
Era o ritual dos republicanos que iam depositar flores junto à estátua de António José de Almeida, para grande arrelia de Salazar, o ditador que não gostava de ajuntamentos de mais de duas pessoas, já que o que “eles” queriam era conspirar contra o governo, dizia-se.
Era assim a República lá em casa, e nesse dia 5 eu ouvia de novo as histórias do meu avô paterno que assistira feliz ao nascimento da República, que era católico praticante,e que nesse dia dava grandes vivas à República junto à casa do padre lá da terra, seu inimigo figadal, um talassa rezingão que odiava carbonários.
Eu sou republicana, por sucessão e convicção.

Viva a República!

Licínia Quitério

Sem comentários:

Também aqui

Follow liciniaq on Twitter
 
Site Meter

Web Site Statistics
Discount Coupon Code