28.12.16

A LOUCA MANSIDÃO


Vão a todos. Ela troca a boina vermelha pela branca, ele põe a gravata preta, de nó fininho, acerta com precisão o risco ao lado no cabelo grisalho, ainda bonito. Ela toma-lhe a dianteira, uma dúzia de passos, não mais, mas espera por ele à porta da casa do velório. Entram de braço dado, de olhos no chão, ar contristado. Caminham entre os circunstantes, à procura de familiares chegados do defunto a quem darão os pêsames, ele em surdina, ela em falsete.
Há-de haver um lugar vago, pelo menos um, para se sentarem e ficarem até ao final da cerimónia. Se não houver, de momento ficarão de pé, lá atrás, encostados à parede, que as pernas já não aguentam muito esforço na vertical.
Entre os assistentes trocam-se olhares interrogativos e ouve-se “não, não sei quem são”.
Vão a todos. Para poderem cumprir escrupulosamente este dever cívico que se impuseram, consultam diariamente os anúncios com as cruzes e retratos afixados nos lugares públicos, os mesmos de sempre, há muitos anos.
Com as suas idades maiores, têm envelhecido ultimamente com alguma pressa. Um dia faltarão ao encontro com os mortos da terra, quebrarão o pacto com os viajantes.

Nas suas próprias viagens, serão acompanhados por um extenso cortejo de sombras que só eles poderão ver, agora que terminaram as tarefas, incrivelmente precisas, a que a louca mansidão dos dias os condenou.

Licínia Quitério

Sem comentários:

Também aqui

Follow liciniaq on Twitter
 
Site Meter

Web Site Statistics
Discount Coupon Code